Sobre «afluente»

Cópia de riquezas, de palavras, etc.

 

 

      «Estavam ontem confirmadas 87 vítimas mortais, a maioria estudantes de um liceu numa zona afluente nos arredores de Seul em viagem de férias, e este número deve aumentar nos próximos dias, com a chegada, ainda ontem, das equipas de mergulhadores, ao principal salão de refeições do Sewol, que viajava entre a cidade de Incheon e o porto de Jeju, na ilha do mesmo nome, quando ocorreram circunstâncias ainda não determinadas, que levaram ao seu afundamento na quarta-feira, dia 16» («Presidente sul-coreana pede punição do capitão», Abel Coelho de Morais, Diário de Notícias, 22.04.2014, p. 22).

      É certo que já em Morais – então ainda «affluente» – a acepção básica estava próxima do cognato inglês, mas nos últimos tempos a influência desta língua tem sido esmagadora. E lá desaguou nos nossos descriteriosos dicionários. Não passava no exame Vieira*, mas vá, sem abusos, mas longe de mim.

 

[Texto 4446]

 

      * De Joaquim Vieira, ex-provedor do jornal Público, que perguntava a si próprio: «Será que os meus pais vão perceber o que escrevi?» 

Helder Guégués às 20:15 | comentar | favorito
Etiquetas: