Sobre «camarlengo»

Agora em latim

 

      «“As ordens de sua eminência, que na ausência de sua santidade assume as funções de camarlengo e autoridade máxima na Santa Sé, vão no sentido de darmos total colaboração à Giudiziaria neste processo”, disse o gendarme» (Vaticanum, José Rodrigues dos Santos. Lisboa: Gradiva, 2016, p. 6).

      Não se sabe se é o tenente Rocco, o narrador ou o próprio autor que não sabe, mas o certo é que as funções do camarlengo são permanentes, pois é o cardeal que preside à Câmara Apostólica e, num interregno pontifício, por morte ou renúncia do papa, governa administrativamente a Igreja e convoca o Colégio dos Cardeais. Antigamente, a grafia em português era camaralengo; hoje em dia, usa-se tanto camarlengo como camerlengo. Na verdade, na Igreja Católica há dois camerlengos: o que preside à Câmara Apostólica, cargo neste momento desempenhado pelo cardeal francês Jean-Louis Tauran, nomeado pelo Papa Francisco no fim de 2014, e o cardeal, nomeado anualmente, que tem a seu cargo a administração dos bens do Sacro Colégio.

 

[Texto 7133]

Helder Guégués às 19:33 | favorito
Etiquetas: ,