Sobre «cochilo»

Ao certo, não se sabe nada

 

      «Donde, agora que o Partido Socialista acaba de eleger um líder novinho em folha, e que com altíssimas probabilidades vai ser o futuro primeiro-ministro, convinha que a comunicação social não permanecesse no seu cochilo, e começasse já hoje a fazer aquilo que é comum em qualquer país civilizado, mas que por cá só se faz tarde e a más horas: um escrutínio apertadíssimo do passado de
 quem quer ir viver para São Bento» («Passos, Costa e a falta de escrutínio», João Miguel Tavares, Público, 2.10.2014, p. 56).

      É brasileirismo — embora no Brasil não se saiba exactamente o que é. Para alguns autores, é vocábulo quimbundo, mas africanismo que já não é sentido como tal; para outros, é a «forma aportuguesada» de escrever «cuxilo», talvez alteração de «acutilar».

 

[Texto 5107]

Helder Guégués às 11:33 | favorito
Etiquetas: