Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Linguagista

Sobre Península Ibérica

E outras penínsulas

 

      «Iémen — e Áden em particular — é há muito terreno fértil para a Al-Qaeda na Península Arábica, considerado o braço mais perigoso da rede terrorista fundada por Osama bin Laden, pelas suas capacidades militares e a eficácia demonstrada para planear atentados a nível internacional. Nos últimos anos, drones americanos têm atacado incessantemente o grupo, com o aval de Hadi (e do Governo saudita), mas o conflito com os huthis, a ingerência saudita e a pobreza são ingredientes que continuam a contribuir para a implantação do jihadismo» («Atentado reivindicado pelo Estado Islâmico mata governador de Áden», Ana Fonseca Pereira, Público, 7.12.2015, p. 20).

      Era também o meu entendimento até recentemente, mas não pode ser. Se grafar Península Ibérica é uma excepção (assim como Presidente da República e País, quando referidos aos nossos, por exemplo), é claro que não se pode, incongruentemente, estender a excepção, ou vamos torná-la regra. Há outras excepções, decerto, mas não passam disso mesmo. Quanto ao nome das penínsulas, era este também o uso em castelhano, mas com a reforma (palavra que os que participaram nela recusam, talvez pela mesma razão que leva a preferir «doença oncológica» a «cancro») de 2010, passou a estatuir-se que, quando o nome específico de uma península é um adjectivo que alude a um topónimo, se escreve com minúscula: península ibérica, península itálica, península arábiga, mas península Valiente. Lógica tem, falta agora ver como serão, numa década ou duas, os usos.

      O caso de Península Ibérica é até o mais curioso, pois hoje em dia nem sequer já usamos — nós e os falantes de castelhano — o topónimo de que deriva, Ibéria. (Vi-o há pouco, repetidamente, numa tradução do inglês, mas por manifesta imperícia da tradutora.) O que pode causar ainda mais estranheza. Com outros não é o mesmo: para península itálica temos Itália; para península arábica temos Arábia; para península balcânica temos Balcãs, etc. Outra excepção para nós: Ilhas Britânicas. Ora, também deixámos de usar Britânia. A excepção pode assentar aqui, no desuso do topónimo de que derivou o adjectivo.

 

[Texto 6460]

5 comentários

  • Imagem de perfil

    Helder Guégués 09.12.2015 00:03

    Será mesmo, caro desconhecido? Sobre Adém e Adem não há dúvidas, e Rebelo Gonçalves regista-os (p. 27); não acolhe, contudo, o primeiro. Porque será? Ora, tão-só por não ser português. «Está bem», pergunta-me, «mas se quisesse mesmo assim usá-lo, como se escreveria?» Ora pensemos. Não é ámen que se escreve? Então, também seria Áden. Em castelhano sim, é Adén — mas nesta língua também se escreve amén. Para este topónimo, a língua portuguesa tem dois exónimos, e chegam bem: Adem e Adém. O endónimo não é Aden; este é o exónimo da língua da potência que dominou o território. O endónimo é árabe, محمية عدن.
  • Sem imagem de perfil

    Anónimo 09.12.2015 08:37


    Obrigada pelos esclarecimentos, caro Helder.
    Margarida Ferreira
  • Imagem de perfil

    Helder Guégués 09.12.2015 10:05

    Não tem de quê.

    Não sei que raciocínio fez o autor do comentário, que, naturalmente, pode não ter sido a Margarida. O que sei é que vejo com crescente preocupação uma maneira distorcida de analisar estas questões da língua que se vai impondo e que consiste em comparar o número de ocorrências de y e de no Google. Aposta-se tudo na que tiver maior número. É o método científico googliano.

    Os vocábulos graves ou paroxítonos, como se sabe, não são graficamente acentuados, mas há excepções, e os que terminam em n é uma delas. Alguns exemplos:

     

    abdómen
    acúmen

    Adén
    albúmen
    alúmen
    ámen
    cacúmen
    certâmen
    cerúmen
    ciclâmen
    cáften
    discrímen
    dólmen
    durâmen
    Éden
    espécimen
    flúmen
    forâmen

    gérmen
    glúten
    hífen
    hímen

    Iémen
    lactúmen
    ligâmen
    líquen
    lúmen
    lúmpen
    molímen
    númen
    pólen
    regímen
    rúmen
    santiámen
    sémen
    tentâmen
    tégmen
    velâmen

    ...

  • Sem imagem de perfil

    Anónimo 10.12.2015 08:56


    Apenas comentei as três grafias que julgava possíveis.
    MF
  • Comentar:

    Comentar via SAPO Blogs

    Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

    Este blog tem comentários moderados.

    Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.