Sobre «tão-só/tão-somente»

Um acordo que desune

 

      «Lembro-me bem das sua [sic] palavras aos oficiais do destacamento, salientando que queria regressar com o mesmo número de homens que trouxera. Não queria louvores nem medalhas, mas tão só garantir a honra da intervenção do seu destacamento de Fuzileiros Especiais e o regresso a casa de todos com vida» (Até ao Fim — a Última Operação, António Vasconcelos Raposo. Lisboa: Sextante Editora, 2011, p. 35).

       Não deve haver muitos livros sem gralhas. Neste há algumas e, pior, erros. O advérbio escreve-se «tão-só» (e «tão-somente»), e grafá-lo sem hífen é erro muito comum. E como se escreve segundo o Acordo Ortográfico de 1990? Bem, depende de quem responde. Para o Dicionário da Língua Portuguesa da Porto Editora, é «tão-só» e «tão-somente». No início de 2009, D’Silvas Filho «pensava» que ia continuar a ser grafado como até então, e escrevia no Ciberdúvidas: «A sua Academia Brasileira de Letras publicará um vocabulário a{#c|}tualizado para o novo AO em {#F|f}evereiro. Aguarde certezas por esta via id{#ó|ô}nea.» Parecem os hieróglifos da Pedra de Roseta... Qual oráculo, a academia da consulente lá garantiu que era «tão só» e «tão somente», porque em formações em que nenhum dos elementos é substantivo, adjectivo, verbo ou numeral («tão» e «só» são ambos advérbios) ou naquelas entre cujos elementos aparece um vocábulo de ligação se deixa de usar o hífen (neste caso, com excepções). E pronto, com o Acordo Ortográfico de 1990, estas palavras passaram a escrever-se de uma forma no Brasil e em Portugal de outra.

 

[Texto 6026]

Helder Guégués às 09:45 | favorito
Etiquetas: ,