13
Set 18

Os novos migrantes

Depois falamos

 

      Migrante: «pessoa que migra, que muda de uma região ou de um país para outro, para aí se estabelecer, geralmente por motivos económicos ou sociais» (in Dicionário da Língua Portuguesa da Porto Editora). Não tardará muito que se possa dizer que é geralmente por motivos climáticos. «As alterações climáticas podem forçar a deslocação de 120 milhões de pessoas em idade ativa e suas famílias, num total de 200 milhões, ao longo do século XXI, mas menos de 20% serão migrações internacionais» («“Migrantes climáticos” podem ser 200 milhões no século XXI», Rádio Renascença, 13.09.2018, 7h39).

 

[Texto 9911]

Helder Guégués às 14:44 | comentar | favorito | partilhar
Etiquetas: ,
04
Jul 18

O que é um choninhas

Os Brasileiros sabem?

 

      Quem é que aqui sabia que Camilo usou a palavra choninhas nas suas obras? Pois é verdade, foi na comédia em três actos O Assassino de Macário. Vem isto a propósito de me terem perguntado agora mesmo o que significa «choninhas». Respondi que me pareciam correctas as definições que encontramos nos nossos dicionários. Em todos? Que não, pois o Sacconi, por exemplo, ignora a palavra. Tenho o Houaiss a três metros de mim, mas não vou ver. Dicionários publicados em Portugal. Acho que a definição de Cândido de Figueiredo — choninha ou choninhas é a pessoa magra, enfezada, ou inútil (Heinz Kröll diz que vem de «Joaninha») — serve para os tempos actuais, nada mudou substancialmente. Em vez de «magra», «enfezada» e «inútil», proponham sinónimos, e tenderei a concordar. Mas não tem nada que ver com a inteligência?, insiste o perguntador. Não me parece.

 

[Texto 9555]

Helder Guégués às 16:45 | comentar | ver comentários (6) | favorito | partilhar
Etiquetas: ,
28
Mai 18

Tradução: «amanuensis»

Ora, não me parece

 

      Todos os dicionários bilingues que consultei nos dizem que o inglês amanuensis se traduz por «amanuense». Será assim tão simples? É claro que o étimo é o mesmo, o latino amanuensis, «copista, escrevente», mas isso não chega. Vejamos: a que acepção de amanuense corresponde esta definição de amanuensis que está nos Oxford Living Dictionaries? «A literary or artistic assistant, in particular one who takes dictation or copies manuscripts.» Para o Dicionário da Língua Portuguesa da Porto Editora, por exemplo, amanuense é ou o «escriturário ou escriturária de secretaria pública» ou o «escrevente; copista». Estão aqui a sugerir-me «secretário», e creio que não há alternativa melhor, mas estou aberto a outras sugestões.

 

[Texto 9291]

Helder Guégués às 15:33 | comentar | ver comentários (3) | favorito | partilhar
Etiquetas: ,
01
Fev 18

Léxico: «lombalgia»

Queremos mais

 

      «A lombalgia é um dos tipos de dores de costas que mais pessoas afeta. Centra-se na zona lombar, entre a última costela e a região glútea, e pode irradiar para uma perna no caso de afetar o nervo ciático. [...] Segundo o presidente da Sociedade Portuguesa de Patologia da Coluna Vertebral, [o ortopedista Manuel Tavares de Matos] a lombalgia pode ser aguda (se durar entre um dia e seis semanas), subaguda (entre as seis e as 12 semanas) ou crónica (das 12 semanas em diante)» («Tem dores nas costas? Saiba como preveni-las», Rádio Renascença, 1.02.2018, 15h56).

      Com tanta informação disponível, que se pode revelar preciosa reunida num dicionário, não se compreende que os dicionários, como é o caso do Dicionário da Língua Portuguesa da Porto Editora, continuem a definir lombalgia apenas como dor na região lombar. O que surpreende é que o Dicionário de Termos Médicos — que não substitui o dicionário geral — não diz mais nem melhor. É manifestamente pouco.

 

[Texto 8661]

Helder Guégués às 22:01 | comentar | ver comentários (1) | favorito | partilhar
30
Jan 18

Léxico: «hidrosadenite»

Mais do que uma glândula

 

      Ontem, no Bom Dia[,] Portugal, a cirurgiã plástica Ana Silva Guerra explicou o que é hidrosadenite supurativa. É uma doença crónica, extremamente debilitante, que afecta os folículos pilosos e as glândulas sudoríparas, em especial nas virilhas, períneo, região perianal e nádegas. E há cada vez mais portugueses que padecem de hidrosadenite supurativa. O termo hidrosadenite está no Dicionário da Língua Portuguesa da Porto Editora, que remete para hidradenite: «inflamação de uma glândula sudorípara». Podem achar que não é necessário ou oportuno redigir outra definição, mas pelo menos têm de passar para o plural. Mas a margem para melhorar a definição é bem ampla.

 

[Texto 8645]

Helder Guégués às 22:39 | comentar | ver comentários (1) | favorito | partilhar

Léxico: «Superlua»

Destaques meus

 

      «O último dia do mês vai ser marcado por uma rara coincidência de sobreposição de eventos lunares: uma Superlua, uma Lua Azul e uma Lua de Sangue.

      Superlua é o nome que se dá às luas cheias que ocorrem quando o ponto da órbita está mais próximo da Terra. Estas luas podem surgir 30% mais brilhantes e 14% maiores do que o habitual, segundo a NASA.

      A Lua Azul é a lua cheia, que será a segunda do mês (a primeira foi no dia 1 de Janeiro).

     Além destes dois fenómenos, ocorre um eclipse lunar, que durante algum tempo confere uma cor avermelhada à lua, resultando o nome Lua de Sangue» («Olhos no céu: vem aí uma lua Azul de Sangue», Rádio Renascença, 30.01.2018, 10h35).

      Também me parece que devem ser grafados com maiúscula inicial. O Dicionário da Língua Portuguesa da Porto Editora, contudo, optou por grafar superlua, que define assim: «fenómeno que se verifica quando a lua cheia se situa num intervalo de distância entre os 90% e os 100% da distância mínima à Terra». Não é exactamente o que diz o Observatório Astronómico de Lisboa: «Fala-se em Super Lua sempre que o instante de Lua Cheia ocorre quando a Lua está a uma distância da Terra inferior a 110% do perigeu da sua órbita.» (Claro que as fases da Lua se grafam com minúscula, coisa que vão agora aprender.) Mais: quando, em 1979, o astrólogo norte-americano Richard Nolle criou o termo, definiu-o como «a new or full moon which occurs with the moon at or near (within 90 per cent of) its closest approach to Earth in a given orbit». Em que ficamos? Alguém corrigiu Richard Nolle?

 

[Texto 8642]

Helder Guégués às 21:29 | comentar | ver comentários (3) | favorito | partilhar
28
Dez 17

«Hérnia estrangulada/encarcerada»

Quem sabe?

 

      «“Esta operação estava há muito prevista para o início de Janeiro, mas os médicos assistentes decidiram antecipá-la, por ter encarcerado” (ou estrangulado, em termos médicos), lê-se num comunicado colocado no “site” da Presidência da República» («Presidente da República internado para ser operado a uma hérnia», Rádio Renascença, 28.12.2017, 13h42).

      Animado pelo espírito de Natal, o jornalista quis facilitar a vida ao leitor. Fez bem ou fez mal? Vejamos: se o jornalista afirma que em medicina se diz «estrangulado», já está a acrescentar um dado técnico menos relevante para o caso. Meritório era se a situação fosse a inversa, ou seja, a Presidência da República usar um termo técnico que o jornalista quissesse ver compreendido por todos. E agora o mais importante: serão mesmo sinónimos? Na definição do Dicionário de Termos Médicos da Porto Editora, ocorre estrangulação herniária «quando o órgão contido em uma hérnia é apertado pelo anel herniário, o que pode conduzir à necrose desse órgão». Já estrangulado, para o mesmo dicionário, diz-se do «que se encontra encravado ou fixado, como um cálculo, ou estrangulado como uma hérnia». Parece o mesmo, ou algo muito próximo. Vejamos agora o que diz a Sociedade Brasileira de Hérnia e Parede Abdominal: «O maior perigo da hérnia surge quando há a conjunção de dois fatores: grande volume do órgão deslocado – aumentando o conteúdo no saco herniário – e anel herniário estreito, o que dificulta o vai-e-vem do órgão. Esta situação faz com que o conteúdo herniário fique preso (encarcerado) no saco herniário e sujeito a provocar o estrangulamento herniário, que implica na torção das alças intestinais. A torção pode provocar obstrução intestinal, que tem como sintomas as cólicas abdominais e a dificuldade para eliminar gases e fezes.» Não parece o mesmo, antes um resultado do outro.

 

[Texto 8522]

Helder Guégués às 18:42 | comentar | favorito | partilhar
Etiquetas: ,