12
Nov 19

Gramática: «se não | senão»

Agora já sabem

 

      «O que podemos nós fazer perante tanta justificação grosseira e tão grande lata se não gozar com a sua cara, enquanto ele continua a gozar com a nossa? Percebo e comungo desse sentimento» («Sócrates transformou-se em anedota — e isso é mau», João Miguel Tavares, Público, 7.11.2019, p. 48). Preferimos Régio, claro: «Não chovendo, porém, que remédio teria Lèlito senão gozar quase uma hora de recreio?» (Uma Gota de Sangue, José Régio. Lisboa: Portugália, 1961, p. 12).

 

[Texto 12 269]

Helder Guégués às 18:45 | comentar | favorito
Etiquetas: ,
15
Jun 19

Plural dos apelidos, mais uma vez

Vá lá

 

      «Mas já alguma vez aqueles que hoje falam das elites incluíram a Associação Industrial, ou a Confederação da Indústria, os Amorins e os Pereiras Coutinhos, ou os Soares dos Santos, ou os Melos, etc.? Mas certamente que incluiriam a Fenprof e a CGTP» («A nostalgia das causas», José Pacheco Pereira, Público, 15.06.2019, p. 12).

 

[Texto 11 540]

Helder Guégués às 19:41 | comentar | favorito
Etiquetas: ,
07
Jun 19

Os Obamas no Spotify

Ainda há esperança

 

      «A produtora do ex-Presidente dos Estados Unidos Barack Obama e da sua mulher Michelle assinou um acordo com a plataforma Spotify para produzir ‘podcasts’ exclusivos» («Obamas vão produzir ‘podcasts’ exclusivos para o Spotify», Rádio Renascença, 7.06.2019, 2h10).

      Querem ver que isto ainda se endireita? Está bem que o mérito neste caso é relativo — pois se o jornalista tinha escarrapachado à frente do nariz «Obamas», foi apenas deixar-se ir, e nisto eles são bons.

 

[Texto 11 499]

Helder Guégués às 12:58 | comentar | favorito
Etiquetas: ,
11
Mai 19

«A não ser | a não serem»

Ficam a saber hoje

 

      «A não ser os seguranças e os guarda-costas, mais ninguém sabia que era esta a derradeira vez que o primeiro-ministro discursava no Parlamento.» Está certo, mas, como também afirmei em relação à locução por si só, que tanta polémica por aqui deu, prefiro não a usar como expressão invariável, sinónima de partícula de exclusão como «excepto» ou «salvo», e estou bem acompanhado, pois vamos encontrar em Machado de Assis, entre outros grandes escritores, frases como esta: «As dissipações não produzem nada, a não serem dívidas e desgostos» (in Contos Fluminenses, 1870). Portanto, saibam os insipientes e os intolerantes que, ainda que a generalidade das vezes se use como locução invariável, é igualmente correcto usá-la flexionada.

 

[Texto 11 344]

Helder Guégués às 09:13 | comentar | favorito
Etiquetas: ,
25
Abr 19

«Sem si»

Sensível

 

      De manhã, na FNAC do Chiado, vi um magnífico computador de mesa com ecrã táctil de 28 polegadas. Lindo, perfeito. Não, perfeito não, porque tem Windows, era um Microsoft Surface Studio 2, que custa mais de 4 mil euros. Quis aceder à Internet. Nada: «Não está ligado, e a Web não é a mesma sem si.» Muito lisonjeiro, sem dúvida (até parece que sabia que todos os dias, há anos, contribuo para que a Internet seja um pouco melhor), mas o uso do pronome pessoal na forma reflexa nem sempre é uma boa opção. Caramba, há alternativas. Se é correcto ou não, isso já é outra conversa. Certo é que já Camilo usou — talvez dormitasse — o pronome reflexo desta maneira menos canónica. 

[Texto 11 254]

Helder Guégués às 20:25 | comentar | favorito
Etiquetas: ,
23
Abr 19

«De modo que»

Coisas velhas

 

      Quem é que não sabe que não se deve dizer de modo a nem de modo a que, quem? São erros que maculam ou afeiam a linguagem, e sem necessidade. Uma nota apenas para os confusionistas: as locuções conjuncionais terminam com «que»: ainda que, apesar de que, de maneira que, de modo que, de sorte que, a menos que, mesmo que, nem que, se bem que, etc. Logo por aqui, estava rejeitada a primeira forma espúria; quanto à segunda, é querer gastar logo tudo. Não: basta «de modo que». Queiram fazer o favor de corrigir o tal verbete.

 

[Texto 11 241]

Helder Guégués às 15:08 | comentar | favorito
Etiquetas: ,
23
Mar 19

Segundo-comandante/segunda-comandante

Tem dias

 

      Sabiam que Eva foi a primeira bacharela, visto que provou da árvore da ciência antes do marido? Atento o sexo e o estado do mundo naquelas recuadas eras, se tivesse o segundo lugar numa hierarquia de comando, seria o quê, primeiro-comandante ou primeira-comandante? «Patrícia Gaspar, segundo comandante nacional, em conferência de imprensa esta quinta-feira disse que os números definidos são apenas de “referência” e não justifica porque não se alterou o comando das operações no sábado, quando estavam reunidos os critérios, mas apenas na terça-feira» («Proteção Civil viola regra que criou após incêndio de Pedrógão», TVI 24, 9.08.2018, 12h03). Não queriam mais nada: então diz-se segunda-secretária, segunda-escriturária, segunda-oficial e depois dizia-se «segundo-comandante»? Entretanto, porém, parece que aprenderam qualquer coisa. E digo parece porque pode ter sido por acaso, como tantas, demasiadas, vezes. No Jornal das 8 da TVI, ontem, referiram-se a Patrícia Gaspar como segunda-comandante da Protecção Civil.

      Espera lá, há por aí dicionários que preconizam o contrário do que eu acabei de defender e me parece de uma clareza meridiana... Infelizmente, não nos permitem estabelecer nenhuma analogia mais evidente nem apanhá-los em contradição, pois não registam «segundo-secretário», «segundo-escriturário», «segundo-oficial», etc. Não têm razão. 

 

[Texto 11 017]

Helder Guégués às 10:12 | comentar | favorito
Etiquetas: ,
21
Mar 19

«Por que motivo», de novo

Os refolhos do espírito

 

      «— Um basilisco, senhora? E por que motivo, faz favor de me explicar, procuram um basilisco?» (A Princesa da Babilónia, Voltaire. Tradução de José Carlos Marinho. Lisboa: Editorial Inquérito, 1946, p. 230).

      Já tenho falado com incultos da área da edição (ponha aqui o leitor os pontos de exclamação que entender — pontos de exclamação que são autênticas bandarilhas que se vão cravar necessariamente em algum cachaço) que suspeitam que este «por que» é invencionice dos revisores dos nossos dias. Valha-nos Deus. Abram-me bem os refolhos do espírito.

 

[Texto 11 004]

Helder Guégués às 14:58 | comentar | favorito
Etiquetas: ,