18
Jul 19

Ortografia e jornais

Henrique, o Inverificador

 

      Vamos agora para coisas mais miúdas. «A este propósito da diversidade, bastaria ver a votação de terça-feira para a detetarmos. Gente de todas as etnias, vestidas de formas que iam do ‘ultraformal’ ao ‘estilo campista’, temos representantes. Até para o mau-gosto piroso, como Berlusconni, que com a mão direita entrapada fazia questão de distribuir sorrisos e apertos de mão (com a esquerda)» («Ursula: a surpresa da normalidade», Henrique Monteiro, Expresso Diário, 17.07.2019).

      Henrique Monteiro, salta à vista, é muito mais cuidadoso na escrita do que muitos outros jornalistas — mas também descura certos aspectos, como, neste caso, o nome de um político. Como jornalista, não é o que devia fazer, verificar? É Berlusconi. E em que dicionário viu Henrique Monteiro a grafia «mau-gosto»? Aqui entram os dicionários: porque é que não registam, no verbete gosto, a subentrada «bom gosto» e «mau gosto»? Sim, há outras: «bom humor»/«mau humor», etc. Diga-se também, vem mesmo a propósito, que não há em Portugal, do que conheço, jornal que, na edição em linha, aplique tão indecorosamente mal as regras do Acordo Ortográfico de 1990 como o Expresso. Se respeitassem, como deviam, os leitores, deixavam hoje mesmo, agora, de aplicar a execrável nova grafia e dedicavam-se a reaprender as regras do Acordo Ortográfico de 1945. Demoraria, mas o progresso seria mais seguro. Teria de haver novo período de transição, agora para trás.

 

[Texto 11 805]

Helder Guégués às 11:52 | comentar | favorito
Etiquetas: ,
16
Jun 19

Ortografia: «sub-repticiamente»

Vejam bem o que fazem

 

      «O mais perigoso, porém, é ser impossível descortinar onde começa a acção de um e acaba a do outro — como se elas estivessem, afinal, subrepticiamente ligadas, escapando ao controlo de cada um dos contendores» («Um novo ano de todos os perigos», Vicente Jorge Silva, Público, 16.06.2019, p. 32).

      Só se nunca tivesse trabalhado num jornal é que não sabia que os textos de certos colaboradores não são submetidos a revisão. Porquê? Eles não gostam. Essa é boa! Não há ninguém — sem excepção — cujos textos não precisem de ser revistos. Eles não gostam — e o leitor, que habitualmente paga para ler, gosta de ver erros?

 

[Texto 11 545]

Helder Guégués às 11:12 | comentar | favorito
Etiquetas: ,
12
Jun 19

Léxico: «ossada | restos mortais | cinzas»

Pensemos nisto

 

      «O relicário com os restos mortais do beato Bartolomeu dos Mártires foi roubado na terça-feira da igreja de São Domingos, situada no centro de Viana do Castelo, disse esta quarta-feira à Lusa o pároco Vasco Gonçalves» («Relicário com ossadas de Bartolomeu dos Mártires roubado de igreja de Viana do Castelo», Observador, 12.06.2019, 12h09).

      «Ossadas»? Ossada, meus meninos, é um substantivo colectivo — como meninada, papelada, etc. Sim, é verdade que no artigo usam «ossada», mas o título tem uma importância crucial, e está errado. Para Fr. Bartolomeu dos Mártires ter ossadas, tinha de ter mais do que um esqueleto. Quanto a considerar «restos mortais» sinónimo de «ossada», tenho as minhas dúvidas. O dicionário da Porto Editora, entre outros (que nisto todos se copiam), diz que restos mortais é o «cadáver ou cinzas de alguém». Não será antes simplesmente sinónimo de «cadáver de alguém»? Alguém morre num acidente, por exemplo: fica ali um cadáver, os restos mortais. Teremos cinzas depois de cremado, ou ossada depois de parte do corpo ser consumido com a inumação. Por fim, uma palavrinha sobre a ilustração do artigo: se a notícia é sobre um acontecimento na Igreja de São Domingos, em Viana do Castelo, porque usam uma imagem da Sé da Guarda?

 

[Texto 11 529]

Helder Guégués às 16:16 | comentar | ver comentários (1) | favorito
Etiquetas: ,
06
Mai 19

E o «Diário de Notícias» não acertou

Pontapés nos ouvidos

 

      «Ou amplia a FIL ou Câmara pode ter de pagar indemnização à Web Summit» (Dicionário de Notícias, 5.05.2019, 10h36). A Paddy Cosgrave, isto até pode soar tão bem como um fado bem cantado, mas nós somos um bocadinho mais exigentes. Tentassem assim: «Ou CML amplia a FIL ou pode ter de pagar indemnização à Web Summit».

 

[Texto 11 315]

Helder Guégués às 13:10 | comentar | favorito
Etiquetas: ,
03
Mai 19

Apófis, deus e asteróide

Metade já está certo

 

      «O asteróide 99942 Apophis foi descoberto pelos astrónomos do Observatório Nacional de Kitt Peak (EUA) em Junho de 2004. Apófis é o nome de um deus da mitologia egípcia, uma criatura diabólica em forma de serpente que tenta engolir o Sol e é também conhecido por profetizar o caos e a destruição» («Encontro marcado: asteróide vai passar próximo da Terra daqui a dez anos», Claudia Carvalho Silva, Público, 3.05.2019, p. 52).

      Isto melhorou, mas só metade. Que sentido é que faz, Claudia Carvalho Silva, grafar assim o nome do asteróide? Acaso escreve em inglês os nomes dos planetas? Mercury, Venus, Earth, Mars, Jupiter, Saturn, Uranus e Neptune. Aprenda com os seus colegas espanhóis: «Catalogado con el número 99942, Apofis fue descubierto en 2004 por un equipo del Observatorio Nacional de Kitt Peak (Arizona, EE.UU.). Los primeros cálculos sobre su trayectoria señalaron entonces hasta un 2,7% de probabilidades de que hiciera impacto contra nosotros en abril de 2029» («El asteroide Apofis llega en 2029, ¿qué vamos a hacer?», ABC, 3.05.2019, 9h56).

 

[Texto 11 300]

Helder Guégués às 10:22 | comentar | favorito
Etiquetas: ,
02
Mai 19

Como escrevem alguns jornalistas

Para se perceber só em parte

 

      «Nos entretantos, o director da FDUL, Pedro Romano Martinez, foi apresentando péssimas explicações para justificar a permanência e ascensão de Farinho na faculdade, cheias daquelas technicalities a que as pessoas do Direito recorrem quando assobiam para o ar» («Domingos Farinho no país da inimputabilidade», João Miguel Tavares, Público, 2.05.2019, p. 48).

      Por qualquer motivo que nem sequer interessa conhecer, João Miguel Tavares acha que nenhuma palavra portuguesa poderá substituir o inglês technicality. Para um jornalista, não é mau — é péssimo. Quem é que não se lembra de pelo menos meia dúzia de formas de dizer o mesmo em português?

 

[Texto 11 292]

Helder Guégués às 09:11 | comentar | ver comentários (1) | favorito
Etiquetas: ,