16
Nov 20

Evacuar | transferir | remover

Não vamos deixar

 

      «Combalido pelo sofrimento e pelas contínuas privações que havia suportado, fui removido, numa longa composição de ambulâncias, para o hospital central de Peshawur» (Um Estudo em Vermelho, Arthur Conan Doyle, Tradução de Silveira de Mascarenhas. Lisboa: Editora Livros do Brasil, 1985, p. 28).

      Sim, não são só as nódoas que são removidas, também nós, sejamos militares ou não. O verbo remover é suficientemente abrangente para incluir este sentido — e evita-se o erro recorrente de evacuar pessoas, como se andassem por aí gigantes glutões que nos comessem e depois nos evacuassem. Quer dizer, há por aí muitos, alguns até anões, que nos querem comer, mas basta não deixarmos. Vão bardamerda!

 

[Texto 14 339]

Helder Guégués às 10:00 | comentar | favorito
09
Mai 20

«Tragédia humana» — muito bem

Mas não aprendem

 

      «“Mais que um choque económico, vivemos uma tragédia humana e um desafio à nossa forma de vida”, diz Centeno, adiantando que se pode chamar Marshall ao referido plano de recuperação económica, mas que desta vez este tem de ser financiado pela Europa e não por outros» («Centeno alerta para “tragédia humana” e defende plano poderoso para recuperar Europa», Rádio Renascença, 9.05.2020, 9h18).

      Interessante é ouvir o ministro das Finanças falar assim e, ao mesmo tempo, sabermos que há troca-tintas em muitas editoras e redacções que falam em «tragédias humanitárias». É só pena não aprenderem.

 

[Texto 13 305]

Helder Guégués às 14:00 | comentar | favorito
04
Jul 18

Léxico: «suprimento»

Há alternativas

 

      «As autoridades rejeitaram a hipótese de os rapazes e o treinador terem de ficar presos durante mais quatro meses, altura em que a estação das chuvas teria terminado e os níveis das águas descido consideravelmente. No entanto, foram preparados suprimentos para esse período de tempo» («Jovem equipa de futebol presa em caverna recebe lições de mergulho», Hélder Gomes, Expresso Diário, 4.07.2018).

      Será «suprimentos» a palavra certa? Creio que não. A razão da escolha há-de estar numa palavra que a imprensa de língua inglesa usou. No caso, «supply».

 

[Texto 9556]

Helder Guégués às 21:04 | comentar | ver comentários (3) | favorito
18
Jun 18

«Zelo nominal»?

Outro zelo

 

      «Parece que a história de Portugal se tornou um tema da actualidade. Tudo começou com a proposta de criar um Museu dos Descobrimentos em Lisboa. Um impressionante conjunto de historiadores e intelectuais manifestou-se contra o vocábulo “Descobrimentos”, por não ser justo para com os povos “descobertos” pelos portugueses, tanto mais que, no contacto com eles, os portugueses nem sempre foram exemplares. Julgo que há aqui excesso de zelo nominal, tão típico dos dias de hoje, em que as palavras são vistas como essências e não como convenções para comunicar. Nós queremos uma palavra que descreva o conjunto de acções resultantes das viagens dos portugueses a partir do século XV» («Descobrir tudo», Luciano Amaral, Correio da Manhã, 18.06.2018, p. 2).

      É só a mim que aquele «zelo nominal» não convence? Comentem, não se acanhem.

 

[Texto 9434]

Helder Guégués às 10:12 | comentar | ver comentários (1) | favorito