17
Mar 19

AO90, o mau alfaiate

Este já pegou

 

  Que isto, este facto, não passe em claro: no rodapé da última página do Correio da Manhã da passada segunda-feira, dia 11, anunciava-se a colecção Grandes Intrigas da História, que sai com a revista Sábado. Ora, tal feito merece uma frase à altura: «Contra fatos, há dezenas de argumentos.» Está tudo fodido, e para sempre.

 

[Texto 10 973]

Helder Guégués às 08:00 | comentar | favorito
Etiquetas: ,
16
Mar 19

Léxico: «macrófago»

Isso é muito pouco

 

      «Agora, uma equipa de investigadores analisou 20 pénis, alguns de indivíduos infectados, e fez uma descoberta que pode obrigar os investigadores a repensar as suas estratégias de ataque. Na uretra, o principal reservatório de VIH estará numas células do sistema imunitário chamadas macrófagos e não nas células-alvo mais conhecidas deste vírus que são os linfócitos T, escrevem os cientistas num artigo publicado na Nature Microbiology. [...] Não se trata, desta vez, dos populares e muito estudados linfócitos T, mas antes dos macrófagos, grandes glóbulos brancos que respondem a infecções» («Desmascarado novo esconderijo do VIH nos homens», Andrea Cunha Freitas, Público, 14.03.2019, p. 30).

      No dicionário da Porto Editora, lê-se que macrófago é o «leucócito mononuclear de maiores dimensões que o linfócito». No fundo, limita-se a remeter para duas pistas: o falante irá sempre consultar os verbetes «leucócito» e «linfócito», e há-de perguntar a si próprio se será mesmo só a dimensão que os diferencia. Não é, e aí estão até trabalhos académicos que se centram somente no macrófago (como este aqui) a provarem-no.

 

[Texto 10 968]

Helder Guégués às 09:00 | comentar | ver comentários (1) | favorito
15
Mar 19

Léxico: «transgénero»

Só adjectivo? Não

 

      «As revelações de Manning, transgénero anteriormente conhecida como Bradley Manning, expuseram delitos encobertos e possíveis crimes cometidos por tropas e aliados dos Estados Unidos nos dois países árabes» («WikiLeaks. ​Chelsea Manning novamente presa por desrespeitar tribunal», Rádio Renascença, 8.03.2019, 16h12).

 

[Texto 10 966]

Helder Guégués às 08:30 | comentar | ver comentários (1) | favorito
14
Mar 19

Léxico: «proclive»

Estás parvo

 

      Agora arrancaste-me umas boas gargalhadas (até a Boneca Velha e a Saias, que estão ali ao fundo da pastelaria no seu rumor malédico, estremeceram): proclive significa «com inclinação para diante». Nada mais?

 

[Texto 10 965]

Helder Guégués às 08:29 | comentar | ver comentários (1) | favorito

Ortografia: «tintim por tintim»

Antes do incomum

 

      «Os sons que produzimos de forma espontânea para exprimir sentimentos como tristeza, raiva, vergonha, dúvida, surpresa, alegria ou calma são muito mais do que sons e dizem muito mais sobre aquilo que estamos a sentir. É como se não fosse necessário contar tudo ‘tim-tim por tim-tim’ porque, tal como o olhar, também as nossas expressões vocais são um espelho da alma» («A voz consegue transmitir pelo menos 24 emoções não verbais», André Rodrigues, Rádio Renascença, 14.03.2019).

      Ó André Rodrigues, já percebemos que é proclive a factos invulgares, exóticos, quando não inócuos. Para dizer tudo, ficava-lhe bem, à sua rubrica, o chamadoiro «Informação (In)útil», só que a ágil TSF apropriou-se dele. Agora vejamos: antes de tentar dominar o incomum, convém dominar a ortografia. Escreve-se, anote para sempre, tintim por tintim. E esqueça a porcaria das aspas.

 

[Texto 10 963]

Helder Guégués às 07:05 | comentar | favorito
Etiquetas: ,
13
Mar 19

Ortografia: «palatabilidade»

O que se diz e o que se escreve

 

      «“Vamos tentar diminuir o fosforo [sic] o máximo possível sem tirar a palatibilidade[,] que é extremamente importante num produto como este”, conclui [a nutricionista Flora Correia]» («Uma alheira para doentes e atletas? Mirandela tem», Olímpia Mairos, Rádio Renascença, 13.03.2019, 11h00).

      De onde vem aquele primeiro i, podem explicar-nos? Pode ter sido a nutricionista a dizê-la assim, mas foi a jornalista que a escreveu — e devia ter corrigido o erro. Ou a nutricionista também usou a palavra «fósforo» sem acento?

 

[Texto 10 956]

Helder Guégués às 11:28 | comentar | favorito
Etiquetas: ,

As aspas nos jornais

Verdes com aspas e verdes sem aspas

 

      «Só que para fazer vingar estes hambúrgueres “verdes” — uns sem produtos de origem animal e outros ovolactovegetarianos —, há o desafio de os tornar saborosos: “Estes hambúrgueres têm de saber pelo menos tão bem como os de carne bovina, e [dizer] isso não nos compete a nós, mas aos nossos consumidores”, argumenta Török. Ainda assim, os resultados têm sido positivos, as vendas têm subido “a pique” e o negócio verde “está a florescer”» («“Se uma cadeia de hambúrgueres consegue combater as alterações climáticas, o mundo também consegue”», Claudia Carvalho Silva, Público, 13.03.2019, pp. 32-33).

      Os hambúrgueres são verdes com aspas, o negócio é verde sem aspas. Há aqui mais qualquer coisa verde, veja o leitor se adivinha.

 

 

[Texto 10 955]

Helder Guégués às 10:47 | comentar | favorito
Etiquetas: ,

«Vegano/flexitariano»

Estranhas opções

 

      «E o futuro é vegan? “Para mim, o futuro é flexitariano: pode comer-se carne, mas menos do que se come hoje. A ciência não diz que temos de deixar de comer carne, diz que temos de deixar de comer tanta carne”, responde Török [do departamento de sustentabilidade da empresa sueca Max Burgers], adepto desta corrente alimentar» («“Se uma cadeia de hambúrgueres consegue combater as alterações climáticas, o mundo também consegue”», Claudia Carvalho Silva, Público, 13.03.2019, p. 32).

      Que sentido faz, Claudia Carvalho Silva, optar por escrever vegan, mas flexitariano? Absolutamente nenhum. Natural era o par vegano/flexitariano. Fica para a próxima. (Procure também escrever correctamente a fórmula molecular do dióxido de carbono: CO2. Demora tanto a fazer bem como mal.)

 

[Texto 10 954]

Helder Guégués às 09:27 | comentar | favorito
Etiquetas: ,