12
Set 18

Hokkaido/Hocaido

Não queremos mais, obrigado

 

      «Compete pelo Japão, mas tem tido aulas para melhorar o domínio da língua materna. E ao que parece a história de amor dos pais foi complicada pelas diferenças culturais: os avós japoneses de Naomi estiveram anos sem falar com a filha por causa da relação. Dentro de dias, a tenista vai ao Japão, a Tóquio. O avô, que vive em Hokaido, a ilha mais setentrional das quatro grandes japonesas, está orgulhoso do feito da neta e já disse que assistirá ao Toray Pan Pacific Open» («E elogiar a japonesa Naomi em vez de só se falar da birra de Serena?», Leonídio Paulo Ferreira, Diário de Notícias, 11.09.2018, 13h51).

    Uma alma mais benevolente (e desatenta) dirá que é uma tentativa de aportuguesamento. Será — mas canhestra e extemporânea. Já temos Hocaido. Lá porque o Acordo Ortográfico de 1990 readmitiu, em má hora, as tais três letrinhas antes proscritas, não quer dizer que se possa proceder assim. Com um k apenas, é erro, não aportuguesamento. «Na Ásia os exemplos mais característicos de paisagem geométrica encontramo-los na Sibéria, e até no Extremo Oriente, nomeadamente em Hocaido e na Manchúria» (Geografia: Aspectos de Portugal e do Mundo Contemporâneo, Odete Sousa Martins. Lisboa: Emp. Lit. Fluminense, 1977, p. 72).

 

[Texto 9902]

Helder Guégués às 11:17 | comentar | favorito | partilhar
Etiquetas: ,
10
Set 18

Mompilher

Com o rabo de fora

 

      É verdade, o tradutor verteu também o topónimo: a Montpellier preferiu Mompilher. Sim, é verdade que a edição é de 1948, e isso diz quase tudo. Mompilher encontra-se em dicionários, vocabulários, certas obras com algumas décadas, mas desapareceu do dia-a-dia. E, contudo, temos aqui um gato escondido com o rabo de fora: dá-se o nome de escamónea-de-mompilher a uma planta (Cynanchum acutum) existente em Portugal, de que se extraía uma substância purgante utilizada em produtos farmacêuticos, e que em língua francesa se conhece por scammonée de Montpellier.

 

[Texto 9891]

Helder Guégués às 15:32 | comentar | ver comentários (4) | favorito | partilhar
Etiquetas: ,
06
Set 18

Léxico: «Guzerate»

Andam lá perto

 

      «A estátua é uma homenagem a Sardar Vallabhbhai Patel, herói indiano que lutou pela independência do país na década de 1940 e primeiro vice-ministro do país depois da independência, além de outros cargos durante a formação do Estado da Índia. Patel, também chamado “homem de ferro da Índia”, nasceu no estado de Gujarate a 31 de outubro de 1875, pelo que a estátua foi construída no mesmo estado e será inaugurada nesse dia de 2018» («Estátua mais alta do mundo está na Índia», Rádio Renascença, 6.09.2018, 8h15).

      Não: em português, é Guzarate ou Guzerate, opção também de Rebelo Gonçalves. No verbete do gentílico, também o Dicionário da Língua Portuguesa da Porto Editora acolhe guzarate e guzerate, mas a definição tem de ser corrigida. Veja-se: «natural ou habitante da região indiana de Guzerate». Estado, não região.

 

[Texto 9871]

Helder Guégués às 09:24 | comentar | ver comentários (1) | favorito | partilhar
23
Ago 18

Topónimo: «Catar»

É assim tão difícil?

 

      «Para os espectadores da emissora de televisão jornalística do Catar a série começa, após uma breve introdução, com o tráfico de escravos português e com o historiador G. Ugo Nwokeji a declarar o seguinte: “no começo, (a escravatura) foi um projecto português. Os portugueses acabavam de sair das Cruzadas, durante as quais tinham levado a cabo uma guerra terrível contra os muçulmanos. Uma parte da aventura (portuguesa) em África visava, aliás, protegê-los dos muçulmanos e manter uma vantagem sobre estes.”» («Falsificando a história: da Al Jazira para os ingénuos deste mundo», João Pedro Marques, Público, 21.08.2018, p. 38).

 

[Texto 9819]

Helder Guégués às 07:08 | comentar | favorito | partilhar
Etiquetas: ,
16
Ago 18

Ligúria

Gente problemática

 

      «O primeiro-ministro italiano declarou 12 meses de estado de emergência na região da Liguria, onde se desmoronou a ponte de Génova» («Estado de emergência na região de Liguria», Rádio Renascença, 15.08.2018, 17h07).

      Hum, problemas também com os acentos? Tantas dificuldades... «Para dar uma ilustração da compleição dos recrutas, num pequeno cantão da costa da Ligúria, 72% dos recrutas em 1792-99 tinham menos de um metro e meio de altura» (Este É o Reino de Portugal, José Brandão. S. Pedro do Estoril: Saída de Emergência, 2015). A redacção não tem um vocabulário? «Ligúria, top. f.», pode ler-se na página 609 do Vocabulário da Língua Portuguesa de Rebelo Gonçalves. 

 

[Texto 9794]

Helder Guégués às 08:01 | comentar | ver comentários (1) | favorito | partilhar
Etiquetas: ,
27
Jul 18

Ilha de Siquino

Surpreendia era se estivesse certo

 

      «Uma equipa de arqueólogos gregos descobriu recentemente um túmulo intacto de uma mulher aristocrata que terá sido sepultada há 1800 anos, na ilha de Sikinos, Grécia. [...] Os arqueólogos acreditam que o mausoléu na pequena ilha que faz parte das Cíclades – um grupo de ilhas no norte do mar Egeu – terá sido construído para abrigar o túmulo de “Neko”, ou “Νεικώ”, segundo o alfabeto grego [sic]» («Descoberto túmulo de “Neko”, a aristocrata sepultada no meio de jóias», Paula Freitas Ferreira, Diário de Notícias, 23.07.2018, 17h46).

      São demasiadas ilhas para dizer aqui o nome em português das principais. Diga-se então o que importa neste momento: em português é Siquino.

 

[Texto 9696]

Helder Guégués às 07:56 | comentar | ver comentários (1) | favorito | partilhar
Etiquetas: ,
19
Jul 18

Gotinga

Nada de estranho

 

      «Isto porque, durante a Segunda Guerra Mundial, os Alemães se haviam comprometido a não bombardear Oxford e Cambridge; em compensação, os Ingleses não bombardeariam Heidelberga nem Gotinga» (A Minha Breve História, Stephen Hawking. Tradução de Pedro Elói Duarte. Lisboa: Gradiva, 2014, p. 11).

      Gotinga, pois claro. As formas vernáculas dos topónimos estrangeiros só são estranhas se não as usarmos. Até porque Göttingen dá muito mais trabalho a escrever, desde logo pelo trema, que nem todos conseguem obter nos teclados (coitados).

 

[Texto 9654]

Helder Guégués às 08:38 | comentar | favorito | partilhar
Etiquetas: ,