16
Nov 20

Topónimo: «Islamabade»

Ou possam entrar

 

      «Zaavan, um elefante residente num jardim zoológico paquistanês, tornou-se um símbolo para os ativistas de direitos animais espalhados pelo mundo, quando, em 2012, perdeu o parceiro. Após 35 anos de confinamento nas instalações do zoológico de Islamabade, onde o seu estado de saúde se foi agravando, o mamífero encontra-se em condições médicas consideradas adequadas para abandonar o local» («A aventura de Kaavan. Elefante mais solitário do mundo volta ao meio natural 35 anos depois», Catarina Maldonado Vasconcelos, TSF, 7.09.2020, 12h26). Na Infopédia, creio que apenas num dicionário bilingue se encontra esta grafia — que devíamos preferir. Ora, até no texto do Acordo Ortográfico de 1990 se lê isto: «Recomenda-se que os topónimos/topônimos de línguas estrangeiras se substituam, tanto quanto possível, por formas vernáculas, quando estas sejam antigas e ainda vivas em português ou quando entrem, ou possam entrar, no uso corrente. Exemplo: Anvers, substituído por Antuérpia; Cherbourg, por Cherburgo; Garonne, por Garona; Genève, por Genebra; Jutland, por Jutlândia; Milano, por Milão; München, por Muniche; Torino, por Turim; Zürich, por Zurique, etc.»

 

[Texto 14 335]

Helder Guégués às 09:00 | comentar | favorito
14
Nov 20

Topónimo: «Melburne»

Raramente

 

      «O paciente, que está a ser tratado numa sala isolada de um hospital de Melburne, tinha chegado à Austrália no dia 19 de janeiro vindo de Wuhan, cidade chinesa epicentro do surto» («Austrália anuncia primeiro caso de coronavírus no país», Expresso, 25.01.2020, 9h50).

      É relativamente raro ver esta grafia do topónimo. Nem sequer ocorre nos textos de apoio da Infopédia. Contudo, é a grafia recomendada por Ivo Xavier Fernandes na sua obra Topónimos e Gentílicos (Editora Educação Nacional, 1941).

 

[Texto 14 330]

Helder Guégués às 09:00 | comentar | ver comentários (2) | favorito
23
Set 20

Emília-Romanha, Véneto, Toscana, etc.

Os toscos

 

      «Em Janeiro votou-se na Emilia-Romagna e na Calábria, agora 18,6 milhões de eleitores escolhem os governos de sete regiões — para além da Toscana, Veneto, Campânia, Ligúria, As Marcas, Apúlia e Vale d’Aosta (região francófona com o seu próprio sistema partidário)» («Sete regiões votam, mas futuro da direita joga-se na Toscana», Sofia Lorena, Público, 20.09.2020, p. 22).

      Não vimos já mais de uma vez que devemos dizer Emília-Romanha? Como também é Véneto. (Mas, na Infopédia, encontramo-lo com e sem acento é conforme dá na veneta.) Vá lá, escreveu Toscana e não, como fazem muitos toscos, «Toscânia». (Como corrigi na semana passada no texto de um autor português.)

 

[Texto 14 013]

Helder Guégués às 10:30 | comentar | ver comentários (1) | favorito
Etiquetas: ,
29
Ago 20

Oriente Próximo | Médio Oriente

Sempre o inglês

 

      «No Antigo Oriente Próximo, hoje designado Médio Oriente, os procedimentos funerários variavam de comunidade para comunidade e de indivíduo para indivíduo» («Descoberta a cremação humana mais antiga. Tem nove mil anos», Ana Rita Maciel, Público, 15.08.2020, p. 37).

      Já agora, não se justifica que «antigo» esteja grafado com maiúscula. Mas sim, hoje em dia designa-se por Médio Oriente, mas não é nada raro encontrar na imprensa e em algumas traduções menos cuidadas Oriente Próximo, quando por detrás está o inglês Near East.

 

[Texto 13 878]

Helder Guégués às 09:00 | comentar | ver comentários (4) | favorito
Etiquetas: ,
20
Jul 20

Barém, e por isso baremita

Aprendam com a Apple

 

      À primeira vista, a versão 6.2.8 do watchOS interessa mais aos baremitas com o relógio da Apple. Vendo bem, porém, interessa também aos portugueses que insistem em usar grafias alienígenas: «A aplicação ECG no Apple Watch Series 4 ou posterior passa a estar disponível no Barém, no Brasil e na África do Sul.»

      E até com ponto final! Isto já é um luxo — ia escrever «perluxuoso», mas a Porto Editora não autoriza —, pois até seguidores deste blogue escrevem comentários só com minúsculas e sem ponto final.

 

[Texto 13 744]

Helder Guégués às 08:15 | comentar | ver comentários (1) | favorito
Etiquetas: ,
08
Abr 20

Topónimos alienígenas

No Porto escrevem assim?

 

      «Numa recente entrevista ao Corrière della Sera, Giorgio Palù, docente emérito de microbiologia em Pádova, professor de neurociência em Philadelphia e presidente cessante da Sociedade Europeia de Virologia, acrescentou outras razões. Antes de mais, a escolha de transferir os doentes de Codogno, primeiro foco do coronavírus, para outros hospitais “foi infeliz” e “emocional”» («Explicações para a hecatombe lombarda», Sandra Ferreira, Jornal de Notícias, 6.04.2020, p. 6). Sandra Ferreira, então agora é assim que se escrevem esses topónimos? Nunca os viu escritos de outra forma?

 

[Texto 13 113]

Helder Guégués às 09:15 | comentar | favorito
Etiquetas: ,
19
Set 19

Cultura clássica de rastos

E os dicionários não ajudam?

 

      «O incêndio que deflagrou no fim-de-semana no Monte Hymettu, a 18 quilómteros [sic] de Atenas, está em recessão, de acordo com a Proteção Civil grega, mas ainda há trabalhos curso para extinguir o fogo» («Incêndio no Monte Hymettus ameaçou Atenas», Rádio Renascença, 12.08.2019, 9h27).

      Os jornalistas e a Antiguidade Clássica! Já sabemos como é. Na verdade, é o monte Himeto, a sudeste de Atenas, na Grécia, conhecido pelo mel sem igual que era lá produzido, graças ao tomilho que cobria as vertentes.

 

[Texto 12 003]

Helder Guégués às 03:30 | comentar | ver comentários (1) | favorito
Etiquetas: ,
07
Jul 19

Mascate e Cassapo

Isso nos folhetos

 

      «Essa viagem ia começar em Abu-Dhabi, passar por uma ilha de águas azul-turquesa, parar em Omã para duas visitas de médico a Muscat e Khasab (ambas com dedo português na sua história) e por fim demorar-se um pouco mais (na linguagem dos cruzeiros demorar é ficar mais do que umas horas no porto) no Dubai, antes de regressar a Abu Dhabi» («Um mundo no meio do mar», Ângela Marques, Sábado, 30.05.2019, p. 38).

      Dedo português que a jornalista apaga diligentemente ao limitar-se a ler os folhetos da MSC. Para nós, é Mascate e Cassapo (ou Caçapo). Não têm respeito nem orgulho na História e na língua.

 

[Texto 11 703]

Helder Guégués às 10:31 | comentar | ver comentários (2) | favorito
Etiquetas: ,
05
Jun 19

Cupão, Timor-Leste

Tudo como dantes

 

   Publicado há duas horas: «Air Timor e indonésia Transnusa anunciam para junho voos entre Díli e Kupang» (Observador, 5.06.2019).

      A ignorância é uma coisa muito triste: então agora é Kupang (como podia ser Koepang), quando há séculos dizemos Cupão? Já ocorreu a alguém contratar revisores competentes para a Lusa? E em ler qualquer coisinha, já pensaram? Nos jornais, continuam a colar simplesmente as notícias que recebem das agências, sem nenhum trabalho de edição. Venham cá depois falar-me em edições premium.

 

[Texto 11 482]

Helder Guégués às 14:42 | comentar | favorito
Etiquetas: ,