Todos os plurais

Pois claro

 

      «Mas Michael Mann cita, por exemplo, o insuspeito Ernst Nolte, que, num clássico de 1963 (Der Fascismus in seiner Epoche), identificou um “mínimo fascista”, o qual combina três “antis” ideológicos: o antiliberalismo, o anticonservadorismo e
 o antimarxismo. No esmagador History of Fascism (1995), Stanley Payne considera a definição de Nolte insuficiente, mas adere à sua ideia de que o antimarxismo constitui uma das características essenciais do fascismo» («Fascismo é quando um homem quiser», António Araújo, Público, 31.05.2016, p. 44).

      Com isto já concordo (embora não me faça esquecer o «sufixo»). Seja qual for a classe gramatical a que pertença um vocábulo, é susceptível de se pluralizar. Mas vão lá explicar isto a certos professores catedráticos e a alguns gurus das letras, desses que lamentam que Eça tenha errado por não escrever Os Maia...

 

[Texto 6853]

Helder Guégués às 21:30 | comentar | favorito
Etiquetas: ,