Tradução: «fellow-traveller»

A simpatia, o voto, não a militância

 

 

      «Os judeus shande com quem o meu marido passa as noites (quando não as passa com a amante) acusam os israelitas e aqueles a quem chamam de “sionistas da mesma leva” de pensarem que gozam de um estatuto moral especial que os autoriza a tratar todas as outras pessoas como merda; mas esta acusação baseia-se, ela mesma, na ideia de que os judeus gozam de um estatuto moral especial e deviam ser capazes de fazer melhor do que isto» (A Questão Finkler, Howard Jacobson. Tradução de Alcinda Marinho. Porto: Porto Editora, 2011, 2.ª ed., p. 332).

      No original, está «Zionist fellow-travellers». Ora, uma das acepções de «leva» é a de recrutamento, o único sentido, a par de grupo, demasiado anódino, que se adequaria, se fellow-traveller não fosse «a person who is not a member of a particular group or political party (especially the Communist Party), but who sympathizes with the group’s aims and policies». Eu optaria por «simpatizante», talvez uma das melhores alternativas. No Dicionário de Inglês-Português da Porto Editora, é traduzido por «companheiro de viagem»; «simpatizante do comunismo». Ocorre-nos logo compagnon de route, mas reparem no que se lê na definição dos dicionários de língua inglesa: «especially the Communist Party». Por isso, o dicionário bilingue devia dizer «simpatizante, especialmente do comunismo». Se tivesse sentido pejorativo, que não tem, mais facilmente optaria por traduzir por «igualha», que me faz sempre recordar os «fascistas da mesma igualha» da canção «Alípio de Freitas», de Zeca Afonso.

 

[Texto 4675] 

Helder Guégués às 06:57 | favorito
Etiquetas: