Um «ignaro» que não o é

Ainda menos

 

      «Até o próprio Benedetto Croce aos dezassete anos, ignaro ainda de que corria atrás de um pseudo-conceito [sic], pedia às lavadeiras do Vomero que lhe ditassem cantos e lenga-lengas [sic] para o “Basile” de Del Chiaro» (Sobre o Conto de Fadas, Italo Calvino. Tradução de José Colaço Barreiros. Lisboa: Editorial Teorema, 2010, 2.ª ed., p. 17).

      E desde quando é que nós dizemos desta maneira? Isso é em italiano: ignaro ancora di correr, etc. Copiar por copiar, antes a ausência de hífen em pseudoconcetto.

 

[Texto 4110]

 

Helder Guégués às 09:35 | favorito