Vergonha alheia e à cara podre

Paciência de santo

 

      «Senhor Presidente, Senhor Primeiro-Ministro, eu nem vou responder ao comentário final, porque fiquei com vergonha alheia.» Quem é que fala assim, «fiquei com vergonha alheia»? É preciso paciência de santo. Quem fala de vergonha também fala do contrário, de desvergonha. Ontem à noite, perguntou-me um leitor como era possível que a expressão à cara podre — sinónimo de à descarada, sem vestígios de embaraço — não estivesse nos nossos dicionários. Lá expliquei que os dicionários não podem conter todas as palavras e expressões que se usam. Será, pelo menos, difícil, e mais — alguém o tem de fazer, e será sempre paulatinamente. Nunca antes deparei, confesso, com aquela expressão. Assim, não estranho nada a sua ausência dos dicionários. Estranho mais, por exemplo, que à descarada não esteja dicionarizado.

 

[Texto 10 656]

Helder Guégués às 12:57 | favorito
Etiquetas: ,